sábado, 27 de fevereiro de 2010

fotos do chile depois do terremoto

Atualizando

Los bomberos trabajan en la calle cubierta de escombros, en Concepción



Carros ficam virados sobre rodovia elevada que desabou nas proximidades de Santiago



Estado de catástrofe foi declarado em todo o país. Problemas de comunicação persistem até a manhã deste sábado (27)



Um terremoto de 8,8 graus na escala Richter atingiu o Chile na madrugada deste sábado (27). Eram 3h34 por lá, 4h34 no horário de Brasília. Epicentro do tremor ocorreu a 63 quilômetros ao sudoeste de Cauquenes



População verifica os estragos causados pelo tremor. Foto foi tirada na região de Santa Cruz






O presidente eleito do Chile, Sebastián Piñera, disse que o número de mortos provocados pelo terremoto de 8,8 graus na escala Richter que atingiu o país nesta madrugada chegou a 122. O número oficial continua em 82 mortes e a agência de notícias Ansa informou que a TV estatal Televisión Nacional anunciou que os óbitos ultrapassam 180.

Sentiu o terremoto no Chile? Envie seu relato

Piñera fará uma reunião com seu gabinete para oferecer ajuda ao governo da atual governante, Michelle Bachelet, em relação aos danos provocados pelo terremoto de 8,8 graus na escala Richter que atingiu o Chile nesta madrugada.

O conservador, assume a Presidência do país no próximo dia 11, afirmou que recolheu as informações de hospitais da região. Ao comentar o número, Roland Fritsch bombeiro responsável pelos resgates na área, disse que todos os dados ainda são muito preliminares.

Ao ser questionado sobre se o terremoto poderia tomar uma configuração trágica, Piñera lamentou as mortes e disse que o Chile é um país que tem de lidar com este tipo de fenômeno:

- Chile é um país de desgraças.

Em seguida ele citou terremotos e tsunamis que atingiram o país. O número de mortos oficialmente está em 82, de acordo com o último balanço, informado pelo ministro do Interior do país, Edmundo Pérez Yoma

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Igreja nos EUA causa polêmica ao realizar cultos para nudistas


ma igreja no Estado americano da Virginia (nordeste dos Estados Unidos) está causando polêmica ao receber fiéis nus. Até o pastor celebra o culto como veio ao mundo.

Na capela de Whitetail - uma comunidade nudista fundada em 1984, na cidade de Ivor -, roupas são um item opcional. 

"Eu não acredito que Deus se importe com a maneira como você se veste quando você faz suas orações. O negócio é fazer as orações", diz Richard Foley, um dos frequentadores. 

Mas entre os que não fazem parte da congregação, a ideia de uma igreja nudista não agrada muito. Várias pessoas ouvidas nas ruas de Ivor se surpreenderam e disseram achar o conceito de uma igreja nudista desrespeitoso. 

O pastor Allen Parker discorda: "Jesus estava nu em momentos fundamentais de sua vida. Quando ele nasceu estava nu, quando foi crucificado estava nu e quando ressuscitou, ele deixou suas roupas sobre o túmulo e estava nu. Se Deus nos fez deste jeito, como isso pode ser errado?" 

Lucro 

A comunidade nudista de Whitetail vai de vento em popa apesar dos tempos de crise. Segundo a administração do resort, mais de dez mil pessoas visitaram o local no último ano e os lucros subiram 12% no período. 

Os visitantes dizem que ser nudista é algo libertador. Para eles, em um ambiente como este não há julgamento de classe social e todos ficam livres para ser quem realmente são. 

Além disso, o clima seria de igualdade. Um frequentador exemplificou isso dizendo que, na comunidade, não é possível dizer quem está desempregado, quem é alto-executivo e quem é encanador. 

"Aqui, todos participam, todos são compreensivos e preocupados com a comunidade e com a família. Temos uma das congregações mais ativas da região. Eu considero isso um presente de Deus e um privilégio", disse o pastor Parker. 

Fonte: BBC Brasil

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

A Escola Dominical dos ateus


por Valmir Nascimento Milomem Santos

Artigo publicado na Revista Ensinador Cristão – Ano 11 n.º 41

Por que até os ateus também estão adotando escolas dominicais?

"Nas manhãs de domingo, a maioria dos pais que não acreditam no Deus dos cristãos, ou em qualquer deus, provavelmente estarão tomando café da manhã ou numa divertida partida de futebol com as crianças, ou fazendo alguma tarefa doméstica ou, com sorte, dormindo. Sem religião, não há nenhuma necessidade por igreja, certo? Talvez. Mas alguns não crentes estão começando a achar que necessitam de algo para os seu filhos. Quando você tem crianças, diz Julie Willey, uma engenheira de design, você começa a notar que seus colegas de trabalho ou amigos têm uma igreja e se reunem para ajudar a ensinar os valores às crianças. Assim todas as semanas, Willey que é budista e nunca acreditou em Deus, e o marido dela colocam suas quatro crianças em uma minivan azul e vão ao Centro da Comunidade Humanista em Palo Alto, Califórnia, para a escola dominical ateísta[i].

Assim inicia a matéria intitulada "Sunday School for Atheist" (Escola Dominical Ateísta), publicada na revista americana, Time, em que traz à evidência uma prática relativamente recente entre ateus norte-americanos, que é a escola dominical para os filhos de não crentes. O programa pioneiro ocorreu em Palo Alto, Califórnia, com expectativas de abertura de novos trabalhos em Phoenix, Albuquerque, Portland e outras localidades dos Estados Unidos. Segundo a revista, o movimento crescente de instituições para crianças de famílias de ateus também incluia acampamentos de verão em cinco estados mais Ontario, e a Academia Carl Sagan, na Flórida, a primeira escola pública Humanista do país que abriu com 55 crianças no outono de 2005.

O Programa Palo Alto Family, registra a revista, usa música, arte e discussão para encorajar expressão pessoal, curiosidade intelectual e colaboração. Em um domingo de outono, anotam, pode-se encontrar até uma dúzia de crianças de até 6 anos de idade e vários pais que tocam instrumentos de percussão e cantam hinos como "Ten Little Indians", em vez de canções como "Jesus me ama". Em vez de ouvirem história da Bíblia, a classe lê parábolas seculares.

Algumas reflexões

Como se percebe, vários pais não crentes entenderam a importância de levarem seus filhos a escolas dominicais localizadas em centros humanistas onde possam, segundo eles, aprender a refutar os argumentos religiosos dos cristãos. Assim, a ED ateísta nasceu com o principal propósito de ensinar as crianças como responder à maioria dos cristãos, segundo princípios humanistas e seculares.

Ao tomarmos conhecimento desse fato, nós, cristãos, somos inundados por um sentimento de estranheza e perplexidade, é claro. Isso porque, bem sabemos, a essência dessa instituição está intimamente relacionada ao cristianismo, ao ensino bíblico e à crença inabalável em um Deus que criou todas as coisas.

Apesar disso, tal acontecimento deve ser observado de modo reflexivo, a fim de tirarmos algumas conclusões, tendo por base a indagação: Por que até os ateus também estão adotando escolas dominicais?

A nova perspectiva ateísta

Em um primeiro enfoque, é preciso assentar que a ED ateísta é decorrência de uma nova perspectiva por parte dos antiteístas (incrédulos, ateus, agnósticos, céticos etc) da atualidade. O ateísmo (pós) moderno difere-se em muito do ateísmo de um passado não muito distante. Se outrora eles não faziam questão de expor abertamente suas idéias, hoje estão a defendê-las de maneira ostensiva, baseados em uma visão de mundo eminentemente secularizada.

Com efeito, vislumbra-se no atual contexto uma espécie de ativismo ateu. Nesse sentido, podemos citar um dos seus principais precursores, o ateu Richard Dawkins, o qual, por exemplo, encabeçou recentemente uma campanha publicitária em que a frase "Provavelmente Deus não existe; então, pare de se preocupar e aproveite sua vida" foi estampada em centenas de ônibus no Reino Unido. Dawkins, inclusive, em seu livro "Deus, um delírio", não satisfeito em simplesmente defender suas idéias, faz questão ainda de tecer duras críticas direcionadas aos cristãos, chegando ao ponto de escrever que "Deus é um delinquente psicótico, inventando por pessoas loucas, iludidas".

Nesse foco, uma ala mais fanática dos ateus estão a defender sua descrença com contornos de verdadeira religiosidade, tanto é assim que Alister McGrath no livro "O delírio de Dawkins", escreve que "tal como um evangelista, Dawkins prega a seus devotos do ódio a Deus, os quais se deliciam com o bombardeio retórico e erguem as mãos, prazenteiros"… "os verdadeiros cientistas rejeitam a fé em Deus! Aleluia!"[ii].

Como anotou Ravi Zacharias[iii], infelizmente o ateísmo está vivo e é mortal. Mais perigoso ainda agora com nuanças de religiosidade materialista para quem o homem é o seu próprio Deus e a lógica científica a única forma de revelação. E assim como uma igreja que possui escola para a instrução, ensino, e fortalecimento da fé de todos os seus membros, o ateísmo da atualidade tem buscado também formas de educar as crianças segundo a visão ateísta

Ora, se o ateísmo contemporâneo adquiriu características de religião, a criação de ED para o ensino do pensamento ateu é realmente uma decorrência lógica (apesar de triste) dessa nova onda de incredulidade. É a educação para a descrença!

Escola Dominical: modelo para ser copiado

Sob um outro enfoque, porém, a utilização do modelo de ensino cristão por parte dos ateus revela algo positivo: a importância da escola dominical. A sua existência histórica tem se mostrado tão válida e necessária que até mesmo os ateus copiaram o padrão educacional cristão a fim de instruirem seus próprios filhos. Idealizada por Robert Raikes, a ED cresceu, multiplicou e deu tantos frutos que é impossível não tê-la como um padrão de sucesso educacional e digna de ser seguida. Como escreveu a missionária Ruth Doris Lemos:

"No mundo, há muitas coisas que pessoas sinceras e humanitárias fazem, sem pensar ou imaginar a extensão de influência que seus atos podem ter. Certamente, Robert Raikes nunca imaginou que as simples aulas que ele começou entre crianças pobres, analfabetas da sua cidade, no interior da Inglaterra, iriam crescer para ser um grande movimento mundial. Hoje, a Escola Dominical conta com mais de 60 milhões de alunos matriculados, em mais de 500 mil igrejas protestantes no mundo. É a minúscula semente de mostarda plantada e regada, que cresceu para ser uma grande árvore cujos galhos estendem-se ao redor do globo".[iv]

Mas, é importante ressalvar com o Pastor Antônio Gilberto em seu livro A Escola Dominical (citado por César Moisés), que a ED é uma instituição moderna da maneira como a conhecemos, mas que o seu princípio fundamental, ou seja, o do ensino bíblico determinado por Deus ao povo de Israel como aos gentios, remonta a alguns milênios. Segundo o Pastor Antônio Gilberto: "A Escola Dominical é a fase presente da instrução bíblica milenar que sempre caracterizou o povo de Deus".[v]

Esse fato, por si só, é um excelente ponto de análise para aqueles que sempre olharam a ED com desconfiança ou a têm como desnecessária. A sua importância, vale dizer, não é somente história, mas, sobretudo, prática. Ken Hemphil, no livro Redescobrindo a alegria das manhãs de domingos, lembra que "a Escola Dominical não é um dinossauro"[vi], o que existe é uma compreensão equivocada sobre a forma como ela deve ser mantida, de modo que nossa intenção não deve ser preservá-la por simples nostalgia; temos de descobrir ferramentas e organizações que nos capacitem a cumprir a Grande Comissão da maneira mais eficiente possível".

Em outros termos, a Escola Dominical deve ser mantida não somente por se tratar de algo histórico e que vem sendo utilizado ao longo dos anos; mas sim em razão da enorme e crescente necessidade de genuíno e sadio alimento espiritual que só pode ser obtido pelo estudo claro, metódico, continuado e progressivo da Palavra de Deus.

A valorização dos cristãos à ED

Outro ponto que deve ser considerado acerca da matéria da Time, diz respeito à importância que os pais ateus dão à educação de seus filhos. Essa observação faz-nos refletir acerca de como os cristãos, principalmente os pais, tem valorizado a educação de seus filhos, a ED e até que ponto existe verdadeiro investimento nela. Afinal, se os ateus começaram agora a valorizar o modelo educacional da ED, mais ainda devem fazê-lo os cristãos, que conhecem de perto o seu valor.

Essa conscientização torna-se necessária porque, não poucas vezes, percebemos um visão equivocada acerca dessa agência de ensino dentro mesmo das igrejas cristãs. Como bem anota Renato Vargens, "154 anos se passaram desde que os Kalley organizaram a EBD no Brasil, e de lá para cá muita água passou debaixo da ponte. Sem titubeios afirmo que inúmeras gerações foram impactadas pelo ensino das doutrinas bíblicas nas salas de aula das escolas dominicais esparramadas pelo nosso imenso território nacional". Entretanto, escreve ele: "Hoje, em detrimento a pós-modernidade, o que era absoluto foi relativizado. Os que outrora pregavam sobre a importância da EBD, não o fazem mais. Para piorar a situação, os crentes optaram por fazer do domingo o seu dia de lazer deixando em segundo plano o estudo da Palavra de Deus".[vii]

Portanto, além de outros elementos, a evidenciação da ED ateísta remete-nos a uma reflexão sobre o valor que temos dado à nossa escola dominical, afinal é nela que o cristão recebe alimento substancial para a sua caminhada cristã. Como arremata Antônio Gilberto:

"É evidente que se a igreja de hoje cuidasse devidamente do ensino bíblico junto à crianças e aos novos convertidos, teríamos uma igreja muito maior. Pecadores se convertem aos milhares, mas poucos permanecem porque lhes falta o apropriado ensino bíblico que lhes cimente a fé. Falta-lhes a raiz ou base sólida e profunda. A planta da parábola morreu, não porque o sol crestou-a, mas, sim principalmente, porque não tinha raiz" (MT. 13.6)."[viii]

Valmir Nascimento Milomem Santos, é graduado e pós-graduado em Direito. Presbítero da AD. em Cuiabá/MT. Editor dos blogswww.comoviveremos.com e www.ensinodominical.com.br

Notas:


[i] JENINNE LEE-ST, John. Sunday School for Atheist. Time. Disponível em http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,1686828,00.html. Acesso em 06/10/2009. (Tradução livre).

[ii] MCGRATH, Alister. O delírio de Dawkins. São Paulo: Mundo Cristão, 2007, p.23.

[iii] ZACHARIAS, Ravi. Pode o homem viver sem Deus? São Paulo: Mundo Cristão, 1997, p. 21.

[iv] LEMOS, Ruth Doris. A minúscula semente de mostarda que se transformou numa grande árvore. Disponível emhttp://www.cpad.com.br/artigos/artigo_1.htm. Acesso em 06/10/2009.

[v] GILBERTO, Antônio, citado por CARVALHO, César Moisés. Marketing para a Escola Dominical. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, p.101.

[vi] HEMPHILL, Ken. Redescobrindo a alegria das manhãs de domingo. São Paulo: Eclesia, 1997, p.10.

[vii] VARGENS, Renato. Escola Dominical uma estrutura em extinção?. Disponível em http://renatovargens.blogspot.com/2009/09/escola-dominical-uma-estrutura-em_08.html. Acesso em 08/10/2009.

[viii] CARVALHO, César Moisés; op. cit.

→ Deixe um ComentárioCategorias: Apologia · Educação
Etiquetado: 

Relativização é o primeiro passo para a inversão de valores

Editorial Mensageiro da Paz – Ano 80 – nº. 1497

Uma das marcas da pós-modernidade (como é definido, pela maioria dos cientistas sociais, esse período da História em que estamos vivendo) é a relativização dos valores. Entretanto, é importante notar que a relativização de valores, que em si mesma já é um mal, não se constitui o final do processo de degeneração moral por que passa a humanidade, mas é apenas uma etapa para se chegar à conclusão lógica de sua implementação. A relativização dos valores, via de regra, é tão somente o primeiro passo para a inversão de valores.

Primeiro, se relativiza o valor para, depois, substituí-lo por outro com o qual foi equivocadamente equiparado no processo de relativização. A relativização não objetiva a lógica hegeliana de tese + antítese = síntese (lógica esta inaplicável na maioria esmagadora dos casos). O seu objetivo é forçar uma equivalência absurda entre a virtude e o vício para, mais à frente, tornar a virtude um vício e o vício, uma virtude.

Eis um exemplo atual disso: Recentemente, a psicóloga francesa Maryse Vaillant lançou um livro intitulado Les Hommes, I'amour, la fidélité ("Os homens, o amor e a fidelidade"). Essa obra é um sucesso de venda em seu país. Mas, o que Vaillant defende ali?

Diz a psicóloga francesa que "a infidelidade conjugal é essencial para o funcionamento psíquico de muitos homens, que não deixam de amar suas mulheres por causa disso" (sic). Ela defende que a maioria dos homens precisa de seu próprio espaço e considera a infidelidade deles "quase inevitável", além de considerar que aqueles que não têm casos extraconjugais podem ter "uma fraqueza de caráter" (sic). Explica Vaillant: "Eles são normalmente homens cujo pai era fisicamente ou moralmente ausente. Esses homens têm uma visão completamente idealizada da figura do pai e da função paternal. Eles não têm flexibilidade e são prisioneiros de uma imagem idealizada das funções do homem".

Ou seja, para Maryse Vaillant, uma das psicólogas mais famosas da França e uma senhora divorciada há 20 anos, infidelidade conjugal é virtude e fidelidade conjugal é "fraqueza de caráter", é "anomalia", algo praticamente "doentio", "patológico". Inclusive, ela enfatiza que aceitar a infidelidade masculina pode ser "uma experiência libertadora para as mulheres". É a beatificação da infidelidade e a condenação da fidelidade! Isso não é relativização de valores. Isso já é inversão total de valores. Mas, só pôde-se chegar a esse ponto (de defesa acadêmica da imoralidade) na sociedade ocidental porque, primeiro, houve uma relativização do que é o casamento e o seu valor até chegar ao ponto em que todo o conceito bíblico e moral de casamento se esvai, sendo substituído pelo seu inverso.

Todos os princípios morais e bíblicos sobre o casamento, como os de Êxodo 20.14, Mateus 5.27,28, Provérbios 5.18 e Hebreus 13.4, passaram agora a serem vistos como algo até mesmo "pernicioso". E é exatamente o mesmo que está sendo feito em relação ao homossexualismo (vista hoje como natural) e à religiosidade (vista por alguns como "mal social"). Cabe a nós remarmos contra a maré dessa época, chamando as coisas pelos seus verdadeiros nomes.

Fonte: CPAD

→ 6 ComentáriosCategorias: Apologia · Família
Etiquetado: 

Música gospel será reconhecida como manifestação cultural


A música gospel deverá ser reconhecida como manifestação cultural, segundo o Projeto de Lei da Câmara 27/09, que recebeu nesta terça-feira (23) parecer favorável da Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE), no Senado Federal. Com isso, poderá gozar dos benefícios do Programa Nacional de Apoio à Cultura, instituído pela Lei Rouanet.

O projeto, que já recebeu parecer favorável da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), ainda será examinado pelo Plenário. O seu relator na CE, senador Papaléo Paes (PSDB-AP), lembrou que a música gospel nasceu nos Estados Unidos e integrou-se à "dinâmica cultural brasileira, perpassando os diversos segmentos da sociedade e integrando-se às culturas regionais que compõem a diversidade do nosso país".

O PLC 27/2009, do deputado Rodovalho (DEM-DF), sugere a inclusão da música e dos eventos gospel no rol das manifestações culturais reconhecidas pela Lei Rouanet - passível, portanto, de receber incentivos financeiros de empresas privadas que depois auferem isenções e descontos tributários. O termo gospel, originário da língua inglesa, refere-se às músicas de temática cristã, e por, extensão, as artistas que compõem e interpretam essas músicas. 

O deputado Rodovalho justifica sua intenção, lembrando que esse estilo musical se disseminou pelo país, inclusive em eventos de grande porte, mobilizando a juventude que cultiva os valores cristãos. O projeto, porém, excetua dessa possibilidade os eventos de música gospel promovidos por igrejas. 

A matéria já foi acatada pela Comissão de Assuntos Econômicos e tem o senador Papaléo Paes (PSDB-AP) como relator na CE.

Fonte: Agência Senado

Honduras - El Día Nacional de la Biblia


MAURÍCIO PEREZ

Tegucigalpa - Aunque la crisis política y los constantes toques de queda han opacado muchas actividades en el país, varias iglesias evangélicas celebraron ayer en sus barrios y colonias el Día Nacional de la Biblia llevando mensajes donde piden paz y justicia.

"Dios es Amor, la Biblia lo dice". "La Biblia es la palabra de Dios", fueron entre otros mensajes de paz los que destacaron en las decenas de pancartas que los cristianos llevaron en esta celebración.

.
Según los líderes cristianos, el mensaje central de la Biblia está presente en el corazón de todas las grandes religiones, e insta al ser humano a desarrollar su relación con Dios y su capacidad de amor hacia el prójimo, conceptos que vienen de gran ayuda en estos días en que la nación está dividida.

DESFILE 
EL pastor de la iglesia Tabernáculo del Evangelio de Dios, Adán Tábora, manifestó que en la congregación que pastorea siempre acostumbran (al son de los tambores, bombos y platillos) llevar testimonio a muchas personas que salen a presenciar la caminata.


"Somos de las pocas iglesias que este día realizamos el desfile y hoy salimos desde el parque de la colonia, recorrimos la comunidad de Río Blanco y La Prieto, dando tratados de mensajes de salvación", indicó.

Tábora lamentó la situación actual por la que atraviesa la nación, pues ha opacado en cierta manera la celebración de este día tan importante para la Iglesia cristiana.

"Esto no abona para que se desarrolle este evento y nosotros aun si se hubiera decretado toque de queda hubiéramos salido a las calles a enecer el nombre de Dios con este desfile", comentó. 

El Pastor dijo que el mensaje de la Iglesia debe ser de paz, esperanza y salvación con el motivo de reafirmar que la palabra de Dios es verdad y respuesta para las necesidades de la humanidad.
 

Adán Tábora junto a su esposa Elisa de Tábora y a su congregación, fue una de las pocas iglesias en la ciudad que desfilaron en conmemoración al Día de la Biblia.

"Ante la crisis nos están señalando a la Iglesia como partícipe, pero debo aclarar que los pastores que han salido a apoyar a determinado sector no representan la postura de todos los pastores de Honduras y lo hacen a título personal", dijo al referirse que el país necesita paz como resultado de la justicia.

SOBRE LA BIBLIA 
1 - La Biblia, un libro inspirado por Dios, fue escrita en un periodo aproximado de 1,000 años, entre el 900 antes de Cristo y 100 después. Hoy es el libro más vendido del mundo.
 

2 - En La Biblia se encuentran mensajes de los profetas, palabras de Jesús y testimonios de los apóstoles. Los profetas, Jesús y los apóstoles actuaron y hablaron en distintas épocas y en circunstancias muy diversas.


3 - El Día de la Biblia se celebra en Honduras vía decreto del Congreso Nacional el último domingo de septiembre. Se tomó esa fecha basándose en que un 26 de septiembre de 1569 se terminó de imprimir totalmente la Biblia en español llamada la "Biblia del Oso", por la tapa con un oso. Fue traducida por Casiodoro de Reina.

Fotos: TIEMPO/Roberto Cerrato

--------------


Con una Expo-biblia en City Mall y Galerías del Valle, los miembros de la iglesia Centro Cristiano Internacional (CCI) celebrarán el Día Nacional de la Biblia, la cual se festeja el último domingo de septiembre.

Honduras es el único país de Latinoamérica que celebra vía decreto el Día Nacional de La Biblia, desde el año 1987.

Los pastores del CCI hicieron un llamado a la sociedad hondureña para que asistan a la exposición de biblias antiguas que se llevará a cabo en los centros comerciales Galerías del Valle y City Mall, donde expondrán diferentes versiones de la Biblia.

En las instalaciones de la iglesia, ubicada en la colonia Trejo, contiguo al Instituto Técnico de Electricidad y Electrónica, se llevarán a cabo también reuniones en familia para estudiar la palabra de Dios.

El evangélico David Romero expresó que "queremos vivir en democracia y paz pero para eso tenemos que volver a recuperar los valores de Dios".

Ante la situación política que enfrenta el país, el pastor hizo ver la necesidad de que en las escuelas y colegios públicos tengan un horario de lectura de la Biblia, para que los jóvenes recuperen los valores que se han perdido.

"Es importante que los ciudadanos leamos la Biblia para poder llevar una vida con las leyes de Dios y exista un acercamiento entre las familias hondureñas", señaló el pastor Mario Valencia.

Aseveró que el objetivo es poner a disposición los principios de la Biblia, sobre todo en estos tiempos difíciles que está viviendo el país con la crisis política.

FONTE

Ex-paquito que vive como missionário no Níger teme por futuro do país após golpe

Alexandre Canhoni, que foi o paquito Xand, vive há oito anos no Níger. Último lugar em desenvolvimento humano, país sofreu golpe militar.

Um dos países mais pobres do mundo, último colocado do ranking de Índice de Desenvolvimento Humano da ONU, o Níger pode ter sua situação ainda mais agravada após o golpe militar que depôs o presidente na quinta-feira (18), afirma o brasileiro Alexandre Canhoni.

Mais conhecido no passado como o paquito Xand do "Xou da Xuxa", Alexandre vive há oito anos no país africano, onde, junto com a mulher e outros quatro brasileiros, desenvolve trabalhos humanitários com crianças na organização evangélica Guerreiros de Deus.

"Estamos pedindo que não aconteça o aumento do preço dos alimentos, que já são caros aqui. O pouco que tem já está acabando e, como as fronteiras estão fechadas, pode faltar água e alimento", disse o brasileiro, por telefone de Niamey, ao G1.

"As informações aqui são muito imprecisas. Ontem houve muitas manifestações, bombas e tiros aqui na capital, as ruas foram bloqueadas e nós estrangeiros fomos aconselhados por todos a ficar em casa", relatou.

Sem televisão em casa, Alexandre contou ter ouvido de vizinhos que o presidente Mamadou Tandjua e vários ministros haviam sido presos pelo militares. Há 10 anos no poder, Tandja, de 71 anos, dissolveu no ano passado o Parlamento e o Tribunal Constitucional e prolongou seu mandato por pelo menos mais três anos em um referendo realizado em agosto – o que vem provocando protestos.

O brasileiro, que disse nunca ter presenciado nada semelhante no país, teme agora pelas iniciativas de ajuda ao país. "Não sabemos o que pode acontecer. Quem vai assumir agora junto com o sistema militar pode mandar ONGs e associações embora", afirma.

De acordo com Alexandre, a organização em que atua, que atende a cerca de 1,2 mil crianças na capital e em outras oito vilas próximas, reúne outros 27 voluntários africanos – chamados de "obreiros" – e sobrevive de doações. São oferecidas refeições e aulas gratuitas de alfabetização em francês, marcenaria, dança e corte e costura. Um centro esportivo foi erguido na cidade de Mailo, a seis horas de carro da capital.

Sem sede própria, o atendimento é feito na própria casa em que o brasileiro vive. Nesta sexta-feira (19), segundo ele, poucas crianças apareceram e a segunda refeição do dia foi cancelada. "Nas ruas não tem quase ninguém. As pessoas não querem se arriscar a fazer qualquer coisa."

Também nesta sexta, a junta militar que derrubou o presidente anunciou o fim do toque de recolher no país e a reabertura das fronteiras. Segundo o comunicado, ministros que foram presos junto com o presidente deposto devem ser soltos em breve.

Tanques e veículos equipados com metralhadores seguiam espalhados pela manhã no bairro do palácio presidencial.

Fonte: G1

Seqüestrando o cérebro — como funciona a pornografia

Comentário de Albert Mohler) - Estamos rapidamente nos tornando a sociedade pornográfica. Durante o curso da última década, imagens explicitamente sexuais se infiltraram lentamente nos anúncios comerciais, no marketing e praticamente em todo vão da vida americana. Essa pornografia de ambiente está agora em quase todos os lugares, desde o shopping mall local ao horário nobre da televisão.

Pelos cálculos de alguns, a produção e venda de pornografia explícita agora representam a sétima maior indústria dos Estados Unidos. Novos vídeos e páginas de internet são produzidos a cada semana, com a revolução digital trazendo um grande número de novos sistemas de distribuição. Toda nova plataforma digital se torna uma oportunidade de marketing para a indústria pornográfica.

O que não é surpresa para ninguém é que a vasta maioria daqueles consumidores de pornografia são homens. Não é nenhum segredo de comércio que as imagens visuais, quer fotos ou vídeos, estimulam muito os homens. Isso não é nenhum avanço novo, conforme atestam antigas formas de pornografia. O que é novo é o acesso em toda parte. Os homens e meninos de hoje não estão olhando para quadros desenhados em paredes de cavernas. Eles têm acesso quase que instantâneo a inumeráveis formas de pornografia numa grande quantidade de formas.

Mas, enquanto a tecnologia tem trazido novos meios para a transmissão da pornografia, o conhecimento moderno também traz uma nova compreensão de como funciona a pornografia no cérebro masculino. Embora essa pesquisa não faça nada para reduzir a culpabilidade moral dos homens que são consumidores de pornografia, ajuda a explicar como o hábito acaba viciando tanto.

Como explica William M. Struthers da Faculdade Wheaton, "Os homens parecem ter sido feitos de tal maneira que a pornografia seqüestra o funcionamento adequado de seus cérebros e tem efeito de longo prazo em seus pensamentos e vidas".

Struthers é um psicólogo com formação em neurociência e especialidade de ensino nas bases biológicas da conduta humana. No livro "Wired for Intimacy: How Pornography Hijacks the Male Brain" (Programado para a Intimidade: Como a Pornografia Seqüestra o Cérebro Masculino), Struthers apresenta percepções fundamentais da neurociência que fazem uma longa explicação do motivo por que a pornografia é uma tentação grande para a mente masculina.

"A explicação mais simples da razão por que os homens vêem pornografia (ou procuram prostitutas) é que eles são levados a procurar intimidade", explica ele. O impulso para obter intimidade sexual foi dado por Deus e é essencial para os homens, reconhece ele, mas é facilmente mal direcionado. Os homens são tentados a buscar "um atalho para o prazer sexual por meio da pornografia" e agora acham que dá para se acessar esse atalho com facilidade.
Num mundo caído, a pornografia se torna mais do que uma distração e uma distorção da intenção de Deus para a sexualidade humana. Torna-se um veneno viciador.

Struthers explica:

Ver pornografia não é uma experiência emocional ou fisiologicamente neutra. É fundamentalmente diferente de olhar para fotos em preto e branco do Memorial Lincoln ou olhar um mapa colorido das províncias do Canadá. Os homens são reflexivamente atraídos para o conteúdo de material pornográfico. Como tal, a pornografia tem efeitos de grande repercussão para estimular um homem à intimidade. Não é um estímulo natural. Atrai-nos para dentro. A pornografia é indireta e voyeurística em sua essência, mas é também algo mais. A pornografia é uma promessa sussurrada. Promete mais sexo, melhor sexo, infinito sexo, sexo conforme os desejos, orgasmos mais intensos, experiências de transcendência.

A pornografia "atua como uma combinação de múltiplas drogas", explica Struthers. Conforme afirma o Dr. Patrick Carnes, a pornografia é "um relacionamento patológico com experiência de alteração do humor". O tédio e a curiosidade levam muitos meninos e homens a experiências que se tornam mais como vício de drogas do que muitas vezes se admite.

Por que os homens em vez das mulheres? Como explica Struthers, o cérebro da mulher e do homem são feitos de forma diferente. "O cérebro de um homem é um mosaico sexual influenciado por níveis de hormônio no útero e na puberdade e moldado por sua experiência psicológica". Com o tempo, a exposição à pornografia leva um homem ou menino mais profundamente "numa super-estrada neurológica de mão única onde a vida mental de um homem é fica restrita a uma sexualização excessiva. Essa super-estrada tem inúmeros acessos de entrada, mas muito poucas saídas".

A pornografia é "visualmente magnética" para o cérebro masculino. Struthers apresenta um exame fascinante da neurologia envolvida, com hormônios de prazer sendo conectados a e liberados pela experiência de um homem vendo imagens pornográficas. Essas experiências com pornografia e hormônios de prazer criam novos padrões na programação do cérebro, e experiências repetidas formalizam a programação.

E então, nunca acaba. "Se eu tomo a mesma dose de uma droga repetidas vezes e meu corpo começa a tolerá-la, precisarei tomar uma dose mais elevada da droga a fim de que tenha o mesmo efeito que tinha com uma dose mais baixa na primeira vez", recorda-nos Struthers. Por isso, a experiência de ver pornografia e praticá-la cria uma necessidade no cérebro de mais e mais, só para alcançar o mesmo nível de prazer no cérebro.

Enquanto os homens são estimulados pelas imagens sexuais do ambiente ao redor deles, a pornografia explícita aumenta o efeito. Struthers compara isso à diferença entre a televisão tradicional e as novas tecnologias de alta definição. Tudo é mais claro, mais explícito e mais estimulante.

Struthers explica isso com força e persuasão:

Algo sobre a pornografia influencia e arrasta a alma masculina. A influência é fácil de identificar. A forma da mulher nua pode ser hipnotizante. A disposição de uma mulher de participar de um ato sexual e expor sua nudez é sedutora para os homens. A consciência da própria sexualidade, o desejo de saber, experimentar algo como bom brota do profundo lá de dentro. Uma imagem começa a ficar maior em importância quanto mais a olhamos, ganhando força máxima e podendo chegar a um ponto em que nos sentimos como se estivéssemos num caminhão sem freios descendo uma montanha.

"Wired for Intimacy" é um livro oportuno e importante. Struthers oferece perspectivas profundas e estratégicas da neurobiologia e psicologia. Mas o que torna este livro realmente útil é o fato de que Struthers não deixa seu argumento para a neurociência, nem usa a categoria de vício para suavizar a pecaminosidade de ver pornografia.

Os pecadores naturalmente procuram um jeito de esconder seu pecado, e a causa biológica é muitas vezes citada como meio de evitar responsabilidade moral. Struthers não permite isso, e sua perspectiva da pornografia tem base bíblica e teológica. Ele responsabiliza o pecado de ver pornografia naqueles que voluntariamente se tornam consumidores de imagens explícitas. Ele conhece sua audiência — afinal, suas aulas são cheias de estudantes universitários do sexo masculino. O viciado é responsável por seu vício.

Ao mesmo tempo, qualquer compreensão de como o pecado opera seu mal enganador é uma ajuda para nós, e entender como a pornografia atua na mente masculina é um conhecimento poderoso. A pornografia é um pecado que rouba Deus de sua glória no presente do sexo e sexualidade. Há muito sabemos que o pecado faz reféns. Conhecemos agora outra dimensão de como esse pecado seqüestra o cérebro masculino. Conhecimento, como dizem, é poder.

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com