segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Al Qaeda ameaça novos ataques nos EUA e diz querer vingar ações no Iêmen


da Folha Online

O braço regional da rede terrorista Al Qaeda na península árabe reivindicou nesta segunda-feira o ataque frustrado a um avião da Northwest Airlines que sobrevoava Detroit (EUA) e alertou contra novos ataques. "Nós preparamos homens que amam morrer", diz o grupo, em comunicado.

"Nós dizemos ao povo americano que, como vocês apoiam os líderes que matam nossas mulheres e crianças, nós vamos matar vocês e atacar sem nenhum alerta prévio. Nossa vingança está próxima", diz o comunicado, na qual a AQAP alerta os americanos para esperar mais ataques, depois que o dispositivo explosivo que o nigeriano Umar Farouk Abdulmatallab, 23, tentou detonar em pleno voo no dia de Natal falhou por questão "técnica".

O comunicado da Al Qaeda na Península Arábica (AQAP) diz ainda que a tentativa de ataque ao voo 253, que voava de Amsterdã a Detroit, foi uma reposta aos ataques americanos contra militantes do grupo no Iêmen.

A presença da Al Qaeda no Iêmen tem crescido no último ano, e Washington já anunciou que o nigeriano Abdulmatallab alegou ter tido ajuda de militantes do grupo no país árabe.

O Iêmen já realizou dois ataques-surpresa à Al Qaeda nesse mês. Na semana passada, mais de 30 membros da rede foram mortos em um ataque aéreo surpresa. Em 17 de dezembro, um outro ataque matou cerca de 30 supostos militantes na Província oriental de Abyan e em Arhab, ao nordeste de Sanaa, segundo o governo.

A Al Qaeda diz que os EUA colaboraram nos ataques. Washington teme que a Al Qaeda use a instabilidade no Iêmen para realizar ataques na região, a maior exportadora de petróleo do mundo.

Segundo o jornal "The New York Times", os EUA já expandiram, extraoficialmente, a guerra contra a rede terrorista para o Iêmen. Nos próximos 18 meses, o Pentágono gastará mais de US$ 70 milhões (cerca de R$ 120 milhões) no Iêmen, segundo o jornal.

Ataque

A tentativa de ataque ocorreu quando Abdulmutallab tentou detonar um poderoso explosivo químico no avião que seguia de Lagos, na Nigéria, para Detroit, com escala em Amsterdã. O nigeriano teria embarcado com visto americano válido.

Segundo relata o jornal "Washington Post", que cita autoridades federais, ele teria colado um material na sua perna e então utilizado uma seringa para misturar produtos químicos com um pó, já a bordo do avião.

A mistura, contudo, se incendiou, em vez de explodir, e assim que os passageiros sentiram o cheiro da fumaça e o barulho semelhante a fogos de artifício, um deles rapidamente se jogou em cima do nigeriano, o dominou e isolou.

O avião conseguiu aterrissar de maneira segura, aproximadamente às 13h desta sexta-feira (horário local). O incidente deixou duas pessoas levemente feridas e causou queimaduras de segundo e terceiro graus nas pernas do nigeriano.

Interrogado pelo FBI (polícia federal americana), Abdulmutallab teria confessado seus vínculos informais com a Al Qaeda e que viajou ao Iêmen para pegar o equipamento incendiário e instruções de como utilizá-lo. A versão inicial dos investigadores, contudo, é de que ele agiu sozinho no ato. Eles disseram que teriam que fazer novos interrogatórios para poder confirmar a versão do suspeito.

Abdulmutallab estudava engenharia na University College London até 2008. Depois disso, segundo a família, seu paradeiro é desconhecido. A família relata ainda que ele se aproximou do extremismo nos últimos meses e seu pai, ex-ministro e rico banqueiro da Nigéria, chegou a denunciar o filho para a embaixada americana.

Reação

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou em pronunciamento nesta segunda-feira que o país está fazendo de tudo para evitar ataques terroristas e que ordenou a revisão das medidas de segurança nacional e em aviões depois do ataque frustrado.

Obama, que falou de Honolulu, no Havaí, onde passa as festas de fim de ano, não citou o comunicado do braço da rede terrorista Al Qaeda.

"Aqueles que matariam homens, mulheres e crianças inocentes precisam saber que os Estados Unidos estão fazendo mais do que simplesmente fortalecer nossas defesas", disse Obama. "O governo está fazendo de tudo em nosso alcance para manter vocês e suas famílias seguras durante esta época conturbada de feriado".

"Não descansaremos até acharmos todos os envolvidos no ataque. Este é um série lembrete dos riscos que corremos e daqueles que ameaçam nossa casa", continuou Obama, em breve pronunciamento. "O ataque poderia ter matado quase 300 civis e tripulantes, civis inocentes que queriam celebrar as festas com seus parentes".

Com Reuters

Nenhum comentário: