segunda-feira, 23 de novembro de 2009

A Política Evangélica: Irmão vota em irmão?



João Cruzué

As pessoas
 
não cristãs cobram dos crentes um posição interessante. Elas dizem: Crentes devem cuidar de religião e ficarem fora da política. Um sofisma hipócrita que parece verdade na cabeça de muitos irmãos. No fundo eles estão dizendo que não querem os crentes envolvidos com política para que o destino da nação fique apenas nas mãos de ímpios e incrédulos.

Nós, os crentes em Cristo, devemos ser sal e luz em todas as áreas e extratos sociais.
 Por outrolado, quanto aos políticos evangélicos que trouxeram escândalo à Igreja e à sociedade, eles foram reprovados e não merecem mais o seu voto.

Nada contra votar em pastor, filho de pastor, sobrinha de pastor. Acho correto que em tempos de "lei" de homofobia, por exemplo, e outras coisas piores que virão por aí, o bordão políticoirmão vota em irmão é razoável. Mas no dia que qualquer deles pisarem na cruz por insuficiência moral e atos desonestos, réprobos, escandalosos, eu tenho uma opinião: NUNCA MAIS VOTE NELE!

Não se deixe enganar com desculpas espertas.

Nem que um anjo desça do céu e lhe peça o voto. Nem se um Pastor presidente venha jurar para que conceda outra oportunidade. Se você tornar a votar 
em um político que trouxe má fama para o povo crente, infelizmente, é por burrice sua. Vou dizer mais, não pode haver lealdade nem compromisso com o ministério que justifique o voto em um quem jogou lama no testemunho da Igreja.

Se você não der o seu recado de forma bem clara nas urnas, eles e seus criadores nunca vão aprender.
 Chega de evangélico sem caráter na política. Eles sinalizam à sociedade que os pastores evangélicos são homens corruptos. Farinha do mesmo saco.

É isso que 
penso, e não pode ser por menos. Irmão vota em irmão? Certo, mas o compromisso permanece tão somente enquanto ele der bom testemunho de cristão.

Nenhum comentário: