segunda-feira, 29 de junho de 2009

Faz um Milagre em Mim”: católicos se rendem e música gospel vira novo hit


 hit gospel do momento já virou pagode, sertanejo, funk e tecno. "Faz um Milagre em Mim", gravada por Regis Danese (foto), tocou até na última Parada Gay de São Paulo. O maior nome da Igreja Católica no Brasil, padre Marcelo Rossi, puxa o coro em músicas como "Faz um Milagre em Mim", "Deus do Impossível" e "Fico Feliz", todos sucessos de cantores evangélicos.

Os católicos já perceberam a diferença e, aos poucos, estão se acostumando ao estilo gospel de música. Já foi o tempo em que as canções "Maria de Nazaré" e "Segura na Mão de Deus" eram os únicos sucessos nas missas. Hoje, os hits cantados nas celebrações são compostos por autores evangélicos, sem preconceito.

O maior nome da Igreja Católica no Brasil, padre Marcelo Rossi, é assíduo do "canto de louvor". Ele puxa o coro em músicas como "Faz um Milagre em Mim", "Deus do Impossível" e "Fico Feliz", todos sucessos de cantores evangélicos. O povo acompanhava entusiasmado, em voz e gestos, a celebração realizada na última quinta-feira, no santuário Mãe de Deus, em Interlagos (zona sul de SP), para mais de 6.000 pessoas.

O estilo musical da "concorrência" começou a ganhar força nas igrejas com o crescimento do movimento carismático, ocorrido nos anos 90. Até então, a troca de canções entre as duas religiões era quase imperceptível. Entre os evangélicos, apenas o padre Zezinho --primeiro religioso cantor do país-- era aceito. A "Oração da Família", composta e gravada por ele, é considerada letra universal.

Unificação

Atualmente, os estilos caminham para a unificação, segundo os próprios religiosos. "Hoje está acontecendo o uso comum das músicas porque as letras deixaram de fazer apologia a uma determinada religião e passaram a se voltar à mensagem do evangelho", afirma o padre Juarez de Castro, secretário de comunicação da Arquidiocese de São Paulo. As letras não citam mais termos religiosos típicos das missas --como a eucaristia, por exemplo.

Para Rodrigo Plaça, cantor católico, a adesão ao gospel acontece porque a base musical evangélica é melhor, quase lírica. "A música deles é de louvor, de entrega. Quando escutam, as pessoas entram em uma espécie de transe, ficam emocionadas e colocam suas emoções para fora. Os católicos perceberam esse sucesso e foram atrás", afirma.

A democracia musical tem base bíblica, segundo o casal de empresários Ricardo Rodrigues, 47 anos, e Silvia Amaro, 44. "Somos todos cristãos. A única diferença é que eles [evangélicos] não têm o costume de louvar Maria como a mãe de Deus", afirma Rodrigues. A aceitação tem sido tão grande que, na porta do santuário do padre Marcelo, por exemplo, as barraquinhas de ambulantes comercializam também os CDs de gospel.

Sucesso religioso tocou até na última Parada Gay

O hit gospel do momento já virou pagode, sertanejo, funk e tecno. "Faz um Milagre em Mim", gravada por Regis Danese, tocou até na última Parada Gay de São Paulo, realizada no dia 14 passado, em versão remixada. O sucesso, segundo o cantor, é atribuído ao desejo das pessoas por mudança. "A música toca no coração. Quem não quer viver um milagre?", pergunta.

Para Danese, o milagre também foi financeiro. O cantor vendeu 1 milhão de cópias com o CD "Compromisso", que tem a canção gravada. "Deus falou comigo. Ele avisou que a música teria impacto." 

A comerciante Maria Conceição Cerqueira, 60 anos, também comemora. Ela tem uma barraca próxima ao santuário do padre Marcelo Rossi e lucra vendendo CDs das duas religiões. "As músicas do Regis estão entre as mais procuradas. Disputam com as canções do padre Fábio de Melo e do irmão Lázaro, que são outros sucessos do momento. Os católicos gostam, só reclamam quando a música exagera no testemunho. Os evangélicos falam muito durante as músicas", diz a vendedora. 

Para amenizar as diferenças e agradar a todos os gostos, os padres católicos regravam as músicas evangélicas com novos arranjos. "Assim não dá para ver quase diferença", completa a vendedora. Os CDs dos religiosos "famosos" são facilmente encontrados. Na porta do santuário, uma cópia falsificada sai por R$ 5. 

Fonte: Jornal Dia Dia e São Paulo Agora

Nenhum comentário: