terça-feira, 31 de março de 2009

Gritos de louvor viram dor de cabeça

posstada em: terça-feira, 31 de março de 2009 12:06h  |  Sociedade  |  Sem comentários  |  A A A

Moradores do Palmares protestam contra abuso de religiosos que fazem cultos na madrugada

Sexta-feira, 21h30. Grupos de pessoas caminham pelas ruas do bairro Palmares, na região Nordeste de Belo Horizonte. Determinados, eles se dirigem ao monte que fica em uma das partes altas do bairro. Alguns seguem alegres. Outros, pensativos. São religiosos, a maioria evangélicos, que vão ao monte para orar e louvar a Deus.

A prática é antiga. Cerca de 4.000 anos antes do nascimento de Jesus Cristo, hebreus e samaritanos se encaminhavam às montanhas em busca de um local onde pudessem ficar reclusos, segregados.

O objetivo dos fiéis de hoje é o mesmo, porém, a sociedade se modernizou e exige regras que permitam a boa convivência entre os desiguais.

O monte no bairro Palmares, localizado em uma área de aproximadamente 10,5 mil metros quadrados - sendo 500 m de propriedade particular e o restante pertencente à prefeitura - é desabitado, mas em frente a ele, na rua Professor Antônio Márcio, estão casas e prédios onde residem várias famílias.

Há pelo menos um ano e meio, os moradores reclamam do barulho provocado pela multidão que frequenta o monte. Todos as sextas-feiras e fins de semana, fiéis de várias igrejas evangélicas da capital se reúnem no local, a partir das 22h, e passam a madrugada fazendo orações e cantando, às vezes, acompanhados de instrumentos musicais.

O terreno é cercado, mas o acesso ao monte é feito livremente por uma entrada localizada na área de propriedade particular, que pertence ao Hotel Ouro Minas. A reportagem visitou o monte na semana passada e presenciou centenas de pessoas no local, depois das 23h, quando o movimento é mais intenso.

"Sexta-feira é o dia mais crítico. A gente não consegue dormir. O barulho que eles fazem incomoda muito, sem contar os gritos de madrugada. Quando vão embora, eles saem do monte tocando instrumentos até chegarem nos carros", reclama um empresário de 39 anos, morador da região, que pediu para não ser identificado com medo de represálias.

A presença de ambulantes nas imediações e carros estacionados nos dois lados da rua, alguns na contramão e outros em portas de garagem, foram outros problemas flagrados.

BARULHO INCOMODA

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente já fez vistorias na área e constatou que os níveis dos ruídos provocados por vozes, cânticos e barulho do trânsito local estão acima dos padrões estabelecidos pela Lei do Silêncio para o horário noturno.

No entanto, a secretaria informou que não tem como aplicar multa porque não existe nenhuma entidade ou pessoa específica que assuma a responsabilidade pelos cultos no local.

De acordo com o secretário da regional Nordeste, Cláudio Vilela, a prefeitura tem fiscalizado a área para coibir o comércio de ambulantes.

Segundo ele, está em estudo um outro acesso ao monte, de modo que a entrada dos fiéis seja feita pelo terreno da prefeitura, onde não existem residências. O estudo deve ficar pronto essa semana.

Trânsito é fechado

Além da poluição sonora, a dificuldade de trafegar à noite pela rua Professor Antônio Márcio é outro problema enfrentando por moradores e, inclusive, pelos motoristas da linha 8405, que atende a região.

Às 23h20 do último dia 20, a reportagem flagrou o momento em que o coletivo não conseguiu fazer uma conversão à esquerda por causa dos veículos estacionados nos dois lados da rua. "Às vezes, quando o ônibus não consegue passar, o motorista aciona a buzina de cinco a dez minutos", conta uma dentista.

Segundo os moradores, no local existiam placas de proibido estacionar que foram arrancadas pelos fiéis. Os fiéis que frequentam o monte contam até com um segurança no local. Um homem usa um jaleco de segurança e também atua como flanelinha.


Um comentário:

Anônimo disse...

É lamentável a estupidez de muitos irmãos. Jesus mandou que entrássemos em nossos quartos para orar. Dá para sentir a presença de Deus muito bem sem precisar incomodar os outros.