terça-feira, 6 de janeiro de 2009

NÁUFRAGO ( A BUSCA PELA SOBREVIVÊNCIA )





Deuteronômio 8.1-3.


Todos os mandamentos que hoje vos ordeno guardareis para os cumprir; para que vivais, e vos multipliqueis, e entreis, e possuais a terra que o SENHOR jurou a vossos pais.

E te lembrarás de todo o caminho, pelo qual o SENHOR teu Deus te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, e te provar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias os seus mandamentos, ou não.

E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram; para te dar a entender que o homem não viverá só de pão, mas de tudo o que sai da boca do SENHOR viverá o homem.


Chuck Noland (Tom Hanks) é um inspetor da Federal Express (FedEx), multinacional
encarregada de enviar cargas e correspondências, que tem por função checar vários escritórios da empresa pelo planeta. Porém, em uma de suas costumeiras viagens ocorre um acidente, que o deixa preso em uma ilha completamente deserta por 4 anos. Com sua noiva (Helen Hunt) e seus amigos imaginando que ele morrera no acidente, Chuck precisa lutar para sobreviver, tanto fisicamente quanto emocionalmente, a fim de que um dia consiga retornar à civilização.
Náufrago é mais do que um filme. É uma das maiores heranças da sétima arte para seus apreciadores, exibindo uma jornada de esperança coragem e sobrevivência. Tom Hanks nos presenteia com uma das melhores atuações já vistas na tela. Ele é Chuck Noland, um engenheiro de sistemas da Fedex que sofre um acidente e se vê abandonado em uma ilha remota. A obra-prima de Robert Zemeckis faz-se de grande relevância para estudantes de Psicologia e Comunicação dado que elementos primordiais do filme condizem com processos estudados nestas áreas. Com o foco no campo da Comunicação Social, percebemos a importância de comunicar-se baseando no exemplo de Chuck, um homem social, acostumado a relacionar-se constantemente que de repente se vê isolado de tudo e todos.No início do longa, percebe-se a dependência de Chuck da comunicação interpessoal na sua profissão. A todo tempo ele usa a linguagem para dar ordens, orientar e cobrar o máximo de agilidade de seus funcionários. O personagem é alguém de extrema atividade, sua vida é demarcada em todos seus horários pelo relógio. Ocupado demais e obrigado a restringir ao máximo seus compromissos pessoais, ele deixa a namorada com a promessa de que voltaria logo e num acidente catastrófico, sua vida corrida é interrompida num lugar sem pagers, agendas ou celulares.Desde então batalha para manter-se respirando. É interessante notar nesta luta do protagonista uma inversão na transformação humana. Se na história do ser humano registra-se uma evolução gradual do seu estado de natureza para a vida em sociedade e conseqüente criação de mecanismos de comunicação verbal e escrita, agora temos um homem no último estágio da evolução de uma sociedade sofisticada que precisa rapidamente tornar-se um selvagem para continuar vivo. Buscar água, criar instrumentos de caça, pescar, abrigar-se em cavernas e fazer fogo por meios naturais, são algumas conquistas deste indivíduo civilizado na sua lida com a natureza.Apesar da sua adaptação a vida "pré-histórica" Chuck jamais conseguiria manter-se consciente na completa solidão. Neste ponto o filme torna-se um exemplo verídico da necessidade da comunicação na vida do ser. A loucura seria o provável fim do indivíduo que capacitado para um processo comunicativo complexo, não encontra ninguém às voltas para colocá-lo em prática. Neste momento brilhantemente entra em cena um novo coadjuvante de Holywood, a bola de voleibol que o náufrago batiza de Wilson. O companheiro inanimado tem suas expressões humanas pintadas por Chuck com seu próprio sangue, após um ferimento e é a peça fundamental de sua jornada.No rosto simbólico de Wilson, Chuck cria um mecanismo para comunicar-se e evitar desta forma a loucura. No fundo sabia que estava falando com uma bola de vôlei no entanto, sem ela seria arremessado no desespero da solidão e perderia a razão. Wilson é mais uma das formas que encontrou para lutar com um mundo inóspito para um civilizado, reacendendo desta maneira a esperança de reencontrar a amada um dia.A bola em termos psicológicos é parte de seu próprio eu, sua consciência que o reprime nos pensamentos negativos e desejos obscuros. Wilson possibilitava ao mesmo tempo a comunicação intrapessoal e interpessoal do personagem, tão necessária para sua sobrevivência. Lançado fora de seu tempo e obrigado a dar um novo sentido a sua existência o náufrago traz lições profundas ao telespectador. O sentido metafórico da obra, indica o ser humano perdido em meio a dúvidas e acontecimentos, que precisa continuar a respirar, afinal a própria vida (na simbologia da maré) poderia trazer algo para que possamos combatê-la.Enfim, por toda essa riqueza de detalhes "Náugrafo" é uma produção cinematográfica que merece ser vista e aclamada. Suas idéias ultrapassam o campo captado pelo senso comum e são constatadas por conhecimentos científicos, como a Comunicação Social. Mais do que promover o entretenimento, o filme permite profundas reflexões sobre o sentido da vida e da incontestável necessidade de expressão do homem social.


Um bom filme recomendado para toda familia.
Vale a pena ver a história deste personagem,que olhando sob a ótica cristã,no meu ponto de vista é retratado a vida do servo de Deus fiel em um mundo onde somos colocados em diversas situações que não esperamos, inclusive quando aos nossos olhos pensamos que estamos sozinhos.
Me identifiquei bastante com essa história.
Links relacionados:
http://www.descobre.com/forum/showthread.php?p=6178
http://www.adorocinema.com/filmes/naufrago/naufrago.asp

Nenhum comentário: