sábado, 2 de agosto de 2008

Monge capuchinho polonês prega « o sexo divino » com a benção da Igreja

VARSÓVIA - Apelidado de 'o apóstolo do Kama Sutra católico', o padre Ksawery Knotz, um monge capuchinho polonês que dá conselhos a casais casados de sobre como praticar sexo, afirma que simplesmente faz um trabalho para Deus.

Publicidade

(Fonte: BOL) - "Claro que animo os casais casados a rezar para que eles tenham uma vida sexual boa e feliz. Para mim, este é um meio de se aproximar de Deus", declara o monge de 43 anos.

"As pessoas ficam um pouco surpresas no início, mas agradavelmente surpresas", destaca Knotz, que fez, como monge, um voto de castidade.

O religioso atende hoje a mais de 3.000 casais de fiéis católicos na Polônia desde 2000, com uma benção tácita de seus superiores. A iniciativa é tão popular que sua agenda está cheia até o ano que vem.

"Se você acredita em Deus, acredita que Deus está presente na vida, no amor, no matrimônio e na sexualidade. Parece natural falar de sexo, e eliminar alguns tabus e manchas do pecado", declara o monge (foto), que vive no monastério dos capuchinhos em Stalowa Wola, sul da Polônia.

www.szansaspotkania.net (a sorte do encontro) em duas versões, polonesa e inglesa.

O monge admite que a educação tradicional da Igreja católica sobre o sexo apresenta fragilidades, mas rapidamente acrescenta que seus conselhos sexuais são reservados a casais heterossexuais que contraíram matrimônio.

No capítulo "A teologia do orgãos", o capuchinho compara o momento supremo do ato sexual com o encontro com Deus no céu.

"O amor de um casal casado, manifestado no sexo, aproxima o corpo humano do céu. O êxtase de uma relação sexual pode ser comparado à alegria da vida eterna", afirma.

"É por isso que este ato conjugal permite aos esposos começar a entender a doçura do encontro com Deus", acrescenta o padre Knotz.

O religioso insiste em uma "comunicação boa e aberta entre os casais", necessária para alcançar os orgasmos celestiais, e incentiva os maridos a darem tempo suficiente às mulheres para satisfazê-las plenamente.

A seus críticos, que o acusam de falta de experiência pessoal, o padre Knotz respondeu: "Não precisais padecer de uma doença do coração para ser cardiologista, nem ser alcoólatra para se tornar terapeuta".

O monge explicou que encontrou sua inspiração na abertura do olhar de sua família e nos ensinos do Papa João Paulo II, que tratou pela primeira vez o tema da sexualidade em um folheto publicado na Polônia em 1960 sob o título "Amor e responsabilidade".

Kasia e Jan Paluszewski, ferverosos católicos casados há 18 anos e pais de três meninos, de 16, 13 e 3 anos, afirmam que os conselhos do padre Knotz "reforçam e esclarecem" sua vida sexual e sua espiritualidade. "Ele escuta realmente os casais e é por isso que ele nos entende bem", diz Jan Paluszewski, um técnico de informática de 46 anos.
  

Nenhum comentário: