sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

PM e fiscais da CET descumprem nova norma do capacete.


PM e fiscais da CET descumprem nova norma do capacete
Publicidade

FILIPE MARCEL
da Folha de S.Paulo

Em vigor desde o dia 1º de janeiro, a obrigatoriedade de uso de capacetes com faixas refletivas de segurança e com selo de certificação do Inmetro provocou uma verdadeira corrida de motociclistas às lojas. Mas nem mesmo os responsáveis por fiscalizar a nova lei --os policiais militares da Rocam (Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas)-- estão cumprindo a determinação.

A PM realizou várias blitz ontem por toda a cidade para flagrar motocicletas irregulares. Perto de uma delas, na avenida Duque de Caxias (centro), um PM da Rocam circulava sem a faixa no capacete. Também os fiscais da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) não atendem à nova regra.

Sem as cinco fitas refletivas no capacete e com o baú da moto sem os respectivos adesivos, o policial militar, identificado apenas por Ramos, ficou irritado ao ver sua moto fotografada. Ele não quis explicar porque descumpria a lei e exigiu os documentos da reportagem.

Já o fiscal da CET, identificado por Góes, disse não saber ainda quais são as exigências da nova lei. "Não sei se as fitas devem ser azuis, amarelas ou vermelhas. A companhia ficou de realizar um curso para todos os fiscais nas próximas semanas."

A nova lei já deveria estar em vigor no meio de 2007, mas foi postergada a pedido dos motociclistas. Quem for flagrado descumprindo a norma perderá cinco pontos na carteira e terá de pagar multa de R$ 127,69, com retenção do veículo. Durante a blitz, a PM só liberava as motos após os proprietários apresentarem os adesivos obrigatórios.

Algumas lojas, como a Vic Store, no centro, venderam ontem ao menos 20 capacetes -em média, vendem três ao dia. Vendedores ambulantes ofereciam tiras refletivas de 40 cm de comprimento por R$ 5. "Os caras que fizeram essa lei nunca andaram de moto. Você acha que isso tudo vai resolver alguma coisa?", questionou o vendedor ambulante Elias de Almeida, 40, que vendia os adesivos em sua banquinha de DVDs pirata. Ele disse ter vendido 40 metros ao longo do dia.

"Os caras estão querendo chupar o nosso sangue", esbravejou o motoboy Gilson Ferreira, 33, dez anos de profissão.

Outro lado

O major Ricardo de Barros, comandante do Batalhão de Trânsito da PM de São Paulo, disse que todos os capacetes da Rocam já estão com os adesivos há cerca de três meses.

"Algumas unidades podem não ter colocado ainda ou caíram. Hoje [ontem] mesmo fizemos uma verificação de quais unidades ainda não tinham feito a revisão no capacete."

Já a assessoria da CET foi contatada às 19h de ontem -logo após a Folha flagrar o fiscal sem o equipamento- mas disse que, devido ao horário, não conseguiu localizar os responsáveis para dar mais detalhes sobre o caso.

A assessoria informou que as faixas refletivas dos capacetes já teriam sido compradas e que estão em fase de instalação.


--
                  Luis Martins
                 Conferencista
           jornalgenesis@gmail.com
      www.jornalgenesis.blogspot.com

Nenhum comentário: